Fechar rede
Siga-nos
Governo do Estado do Rio de Janeiro
Menu
Home Busca Menu Redes
Atitude saudável
03/07/2017 Doação de órgãos: qual é o seu medo?

“Tenho receio de estar no hospital, por exemplo, internado por algum motivo e, os médicos saberem que sou doador de órgãos e não me concederem o tratamento devido por isso”. Foi assim que o designer Leandro Oliveira, de 31 anos, explicou o porquê de não ser doador de órgãos.

Este medo não é incomum. Muitas pessoas temem ser preteridas em prol de alguém que esteja na fila de transplantes precisando de um órgão.

“O médico não iria matar um paciente para salvar outro. Não tem lógica isso!”, acredita a também designer Karla Ribeiro, de 43 anos.

E tal afirmação faz todo o sentido. Aliás, a falta de informação sobre como funciona o processo de doação de órgãos é um fator que compromete a decisão das pessoas. Quando informado de que a doação só é realizada com autorização da família, Leandro se mostrou surpreso. Isso porque, há algum tempo, ele havia registrado na carteira de identidade o seu desejo e não sabia que, atualmente, é preciso somente do consentimento familiar.

“Isso é uma novidade para mim! Acredito que assim seja melhor. Eu nem sabia que só é possível doar se houver morte cerebral. Então, sendo uma equipe médica a coordenar este processo, eu fico mais tranquilo”, confessa.

O designer, aliás, depois de entender como funcionam as etapas da doação de órgãos, alega que mudou de ideia.

“O que me foi passado na época era apenas a questão da autorização na identidade. Acho que a população precisa ter esse tipo de informação. É muito importante para passar despercebida. Além de ser um direito nosso também. Então, agora vou reforçar com a minha família e explicar isso melhor. Falar que, em caso de morte cerebral, eles podem, sim, doar os meus órgãos”, afirma.

Além de conversar com a família, o que é de extrema importância, é possível também manifestar o seu desejo cadastrando-se no site www.doemaisvida.com.br . Através dele você pode enviar um e-mail contando a sua vontade e até compartilhar nas redes sociais, ajudando a contribuir para a conscientização da doação de órgãos.

continue lendo
Telefones úteis