Fechar rede
Siga-nos
Governo do Estado do Rio de Janeiro
Menu
Home Busca Menu Redes
Atitude saudável
26/06/2017 O mundo parece girar? Pode ser labirintite

“Estava dirigindo quando senti o mundo girar. Parei o carro e precisei esperar um tempo até o desconforto passar”. O relato é da redatora Maria Victoria Rosette, de 34 anos, que, após este episódio, resolveu procurar um otorrino, pois já conhecia os sintomas da labirintite. O resultado apenas confirmou a sua suspeita.

O mundo parece girar? Pode ser labirintite

“Fiz audiometria e mais algum exame e fui diagnosticada com labirintite. Hoje tomo medicamento apenas quando sinto que vai começar uma crise que, geralmente, dura de três a quatro dias”, conta.

O labirinto é a parte da orelha, conhecida como orelha interna, e tem duas funções distintas: a audição e o equilíbrio. A porção responsável pelo equilíbrio é conhecida como sistema vestibular, mas o equilíbrio corporal não depende apenas dele. Ele é mantido pelo sistema nervoso central, que orquestra informações recebidas dos labirintos (um em cada orelha), de receptores existentes em músculos e tendões (receptores posturais) e da visão.

As tonturas ocorrem quando o cérebro recebe informações desencontradas destas estruturas responsáveis pela manutenção do equilíbrio. Processos inflamatórios e/ou infecciosos fazem com que o labirinto fique doente e envie informações erradas ao cérebro. Daí vêm os sintomas como vertigem, náuseas, vômitos, sudorese, palidez, taquicardia e sensação de desmaio.

Engana-se quem pensa que labirintite é uma doença que acomete apenas os idosos. Problemas posturais, crises de pressão alta, descontrole do colesterol, triglicérides e glicemia, são fatores que podem desencadear o quadro vertiginoso. Alterações hormonais como problemas com tireoide e flutuações de hormônios femininos, como na gravidez, no ciclo menstrual, na menopausa e uso de pílulas anticoncepcionais podem provocar tontura.

Sintomas como tontura devem ser levados a sério, pois podem afetar consideravelmente a qualidade de vida das pessoas. Não deixe de procurar um médico para investigar a causa dos seus sintomas. A história clínica e o exame físico podem afastar algumas causas e sugerir outras. Há medicamentos para aliviar a crise e para prevenção nos quadros que se repetem. Mas, lembre-se, nunca tome remédios por conta própria.

continue lendo
Telefones úteis