Fechar rede
Siga-nos
Governo do Estado do Rio de Janeiro
Menu
Home Busca Menu Redes
Secretaria de Saúde e Sociedade de Cardiologia fazem capacitação em prevenção de doenças cardiovasculares 15/05/2017 Secretaria de Saúde e Sociedade de Cardiologia fazem capacitação em prevenção de doenças cardiovasculares Seiscentos médicos e enfermeiros que trabalham em Unidades de Pronto Atendimento receberam o treinamento

 Seiscentos médicos e enfermeiros que trabalham em Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) das redes estadual e municipais de saúde foram capacitados pela Secretaria de Estado de Saúde e pela Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro para a prevenção de doenças cardiológicas. Com esse treinamento, os profissionais de saúde que atuam nesses locais e não têm formação em Cardiologia ganham mais informações, que são fundamentais na hora de orientar os pacientes sobre os melhores cuidados com a saúde. Foram abordados temas como hipertensão arterial, diabetes e obesidade, tabagismo, sedentarismo e o controle do colesterol.
A capacitação em prevenção de doenças cardíacas vai aprimorar o protocolo de atendimento a casos de infarto agudo no miocárdio, que desde o final de 2015 está em funcionamento nas UPAs das redes estadual e municipais de saúde: o uso combinado de eletrocardiograma com diagnóstico por telemedicina e a aplicação de trombolíticos nos casos de infarto que tenham sido provocados pela presença de um coágulo em alguma artéria do coração.
Somente no ano passado, foram realizados 40.289 eletrocardiogramas digitais nessas UPAs, sendo que 334 pacientes receberam o medicamento. Dados do Ministério da Saúde mostram que o estado do Rio de Janeiro é o que mais realiza eletrocardiogramas digitais no país. O trombolítico serve para dissolver esses coágulos, diminuindo as chances de lesão muscular e de sequelas, podendo reduzir em até 40% o índice de mortalidade por infarto agudo no miocárdio.
- O uso do trombolítico implicou em uma mudança no protocolo de atendimento dos pacientes que chegam às UPAs com relato de dor torácica. A Secretaria de Estado de Saúde promoveu a capacitação dos profissionais dessas unidades antes da implantação do novo protocolo. Com essa nova capacitação, agora pela ótica da prevenção às doenças cardiovasculares, temos um aprimoramento do atendimento ao paciente nas UPAs, que são os locais onde a maioria das pessoas buscam o primeiro atendimento em caso de necessidade - disse o secretário de Estado de Saúde, Luiz Antônio Teixeira Jr.
Coordenador da Linha de Cuidados de Infarto Agudo do Miocárdio da SES, o cardiologista Antônio Ribeiro Neto acrescenta que o objetivo da capacitação foi possibilitar que médicos de quaisquer especialidades e enfermeiros tenham conhecimento mais profundo sobre os principais aspectos da doenças cardiovasculares (predominância e forma de prevenção), para que eles possam melhor informar aos pacientes que atendem: - A nossa intenção é acender ainda mais o alerta sobre a prevenção, pois assim vamos diminuir os casos de doenças cardiovasculares. Prevenir, por exemplo, que aquela pessoa que tenha hipertensão, uma doença que na maioria dos casos é silenciosa, chegue até ao infarto - explicou.

Tecnologia de ponta - O protocolo de atendimento implantado nas UPAs estabelece que o paciente com relato de dor torácica seja submetido a exame de eletrocardiograma digital, que é transmitido online e em tempo real para o Hospital do Coração (HCor), em São Paulo, onde será avaliado por cardiologistas de plantão. Em questão de minutos o laudo médico estará disponível aos profissionais da UPA, com a indicação - ou não - do uso dos trombolíticos. Segundo Antônio Ribeiro Neto, cerca de metade dos casos de infarto agudo do miocárdio provocados pela presença de algum tipo de coágulo nas artérias coronárias devem ser tratados com trombolíticos, tendo resultados expressivos. A aplicação de trombolíticos em casos específicos vem sendo estudada há mais de 20 anos, em todo o mundo, e os estudos mais recentes apontam que os benefícios são mais evidentes com a aplicação precoce do medicamento, preferencialmente em até duas horas após o infarto.

Quer ver mais conteúdos em Notícias?
Telefones úteis