Fechar rede
Siga-nos
Governo do Estado do Rio de Janeiro
Menu
Home Busca Menu Redes
Home
Gravidez na adolescência
Doenças sexualmente transmissíveis
Gravidez na adolescência

Doenças sexualmente transmissíveis

Doenças sexualmente transmissíveis

Usar preservativos em todas as relações é muito importante para reduzir o risco de se contrair doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). Estas doenças são causadas por vírus, bactérias ou outros microorganismos e podem ser transmitidas por meio de relação sexual (oral, vaginal e anal) com uma pessoa que esteja infectada.

Saiba mais sobre algumas das principais DSTs:

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA ou AIDS)

- A AIDS, que se caracteriza pelo enfraquecimento do sistema imunológico, deixa a pessoa mais vulnerável à doenças oportunistas desencadeadas por processos virais ou bacterianos simples que em uma pessoa saudável não teria consequências mais graves. Além de ser transmitida sexualmente, ela também pode passar de uma mãe infectada para o filho durante a gestação, o parto ou a amamentação, pela transfusão de sangue contaminado ou pelo uso de agulhas compartilhadas e objetos cortantes não esterilizados. A doença não tem cura, porém, há tratamentos para aumentar a expectativa de vida. O teste para se detectar a AIDS deve ser realizado entre 30 e 60 dias após a suposta exposição ao vírus e deve ser repetido após cerca de 120 dias.

SÍFILIS

- A sífilis é uma infecção bacteriana com diferentes manifestações clínicas conforme seu estágio (sífilis primária, secundária, latente ou terciária). A transmissão ocorre pelas mesma vias do que as da AIDS, sendo a mais comum por via sexual. Caso exista a suspeita da doença, é aconselhável procurar uma unidade de saúde que realize o teste rápido para sífilis, cujo resultado fica pronto em até 30 minutos. A doença tem tratamento que deve ser iniciado o mais rápido possível.

HEPATITE B

- A hepatite B também é transmitida sexualmente e pelo contato com sangue infectado. A doença é uma infecção viral do fígado que tem uma recuperação rápida pela maioria dos adultos. Porém, em casos mais graves, pode causar hepatite crônica e evoluir para cirrose e câncer do fígado. Além do uso de preservativos durante as relações sexuais, é muito importante estar com a vacinação em dia. A vacina é a forma mais segura e eficaz de prevenção da hepatite B evitando a infecção crônica e suas consequências.

Telefones úteis